GAZETA DO NOROESTE MT

Mato Grosso ,

NOTÍCIAS / AGROPRODUÇÃO/ALGODÃO

Área de algodão pode crescer em Mato Grosso

Redação e Viviane Petroli    

03 de Janeiro de 2017 as 17:18

Divulgação

De acordo com a Ampa, ao longo de 2016 diversos avanços foram verificados na cotonicultura mato-grossense que irão impactar no futuro da atividade, bem como de todo o sistema produtivo adotado no Estado

Apesar do alto custo de produção, que hoje se aproxima dos R$ 10 mil por hectares, Mato Grosso tem capacidade para elevar a sua produção de algodão. Além da ampliação de área por parte de alguns produtores, pesquisas em novas tecnologias são realizadas visando à redução do custo de produção, bem como o aumento da produtividade.

A safra 2015/2016 foi considerada "relativamente complicada" por causa do clima, que afetou a produtividade do algodoeiro, porém, segundo a Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), conseguiu-se um produto de "boa qualidade". As perspectivas para o ciclo 2016/2017 são boas diante um clima mais regular durante o período de plantio da safra da soja, o que pode favorecer o plantio da segunda safra do algodão dentro da janela ideal.

"A cotonicultura tem custos altíssimos e o produtor pontua suas decisões por um cenário que não tem sido dos mais animadores. Os estoques mundiais da pluma continuam altos, a China se mantém como um fator imponderável e temos ainda a concorrência acirrada das fibras sintéticas. Muitos produtores de Mato Grosso têm condições de ampliar suas áreas de plantio de algodão e os pesquisadores trabalham no desenvolvimento de novas tecnologias para reduzir custos de produção e aumentar a produtividade. Também estamos atentos a identificar formas de lidar melhor com a concorrência das fibras sintéticas", afirma o diretor-executivo da Ampa, Décio Tocantins.

De acordo com a Ampa, ao longo de 2016 diversos avanços foram verificados na cotonicultura mato-grossense que irão impactar no futuro da atividade, bem como de todo o sistema produtivo adotado no Estado.

Entre tais avanços estão a construção de cinco Centros de Treinamento e Difusão Tecnológica nas regiões de Sorriso, Rondonópolis, Campo Verde, Campo Novo do Parecis e Sapezal, e de laboratórios para o desenvolvimento de bio-inseticidas à base de vírus, fungos e bactérias, a serem utilizados como ferramentas no controle biológico de algumas das principais pragas e doenças.

Preços

O ano de 2016 não foi um ano de "grandes surpresas em termos de preço", pontua Tocantins. O diretor-executivo da Ampa afirma que o setor irá "continuar atuando em defesa da política de renda para o produtor de algodão e da racionalização dos custos de produção. Precisamos também fortalecer o melhoramento genético, cobrar eficiência das biotecnologias da mesma forma em que as empresas nos cobram royalties por elas e melhorar nossa logística".

Para 2017 as perspectivas em termos de preços e da economia é difícil precisar como serão, pondera Tocantins, principalmente "diante um mercado bastante ofertado em nível mundial".

"Por isso, hoje o produtor de algodão de Mato Grosso se mantém cauteloso, mas as consultas feitas pela Ampa até agora indicam a intenção de plantio de uma área de 610 mil ha, o que corresponde a uma manutenção de área", salienta.

 











Comente Logo Abaixo




Nenhum comentário foi encontrado, sejá o primeiro a comentar esta notícia.

65 99628 5314

Rua Ramon Sanches Marques , nº 44 , Distrito São Joaquim
Tangará da Serra-MT CEP 78.300-000

Newsletter
       

Copyright© 2013 - 2018. Todos os direitos reservados.