GAZETA DO NOROESTE MT

Mato Grosso ,

NOTÍCIAS / Crime organizado

Corpos de vítimas executadas por membro de facção são encontrados pela PJC de Campo Novo

Da Redação    

10 de Maio de 2018 as 17:29

Divulgação

A investigação iniciou após a Polícia Civil tomar conhecimento de vídeo da execução de um homem (E.S. P, 24) em 01 de abril deste ano.

A Polícia Judiciária Civil de Campo Novo do Parecis (396 km a Noroeste) prendeu na manhã de quarta-feira (09) um ex-militar do Exército suspeito de integrar uma organização criminosa que teria agido em pelo menos cinco homicídios nos últimos meses. Na manhã desta quinta-feira (10) a PJC, em conjunto com a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), realizou buscas e recolha dos restos mortais das vítimas.

A investigação iniciou após a Polícia Civil tomar conhecimento de vídeo da execução de um homem (E.S. P, 24) em 01 de abril deste ano. Um dos suspeitos foi identificado como Jose Elgy Alves Silva, 31. Ele foi preso em cumprimento a mandado de prisão e de buscas, após representação da autoridade policial.

As investigações prosseguem no sentido de identificar e prender outros envolvidos que aparecem no vídeo.

De acordo com o delegado que conduz as investigações, Adil Pinheiro de Paula, o suspeito é  apontado como líder de uma facção criminosa que age na região. Ele é dono de duas borracharias e uma boate na cidade – com faturamente mensal declarado em R$ 22 mil.

"Na Delegacia, ele confessou com frieza os cinco homicídios (4 consumados mediante execução e uma tentativa). Ele possui perfil psicológico diferente, não mostra arrependimento (inclusive comenta que as vítimas imploravam pela vida) e nenhuma preocupação em ir pra cadeia. Na verdade se vangloriava das mortes em grupos nas redes sociais (whatsapp) com outros integrantes de facção criminosa", explica o delegado.

Ele não confessa integrar organização criminosa, mas as investigações comprovam que ele atuava como o “disciplina” - o responsável por aplicar penalidades. Em interrogatório na quarta-feira (09) ele afirmou matar pessoas que estavam cometendo roubos e furtos na região. Justificou que a maioria das mortes eram de usuários de drogas e suspeitos da pratica de pequenos furtos e roubos, e que, segundo ele atuava como uma espécie de justiceiro que só fez bem para a sociedade ao retirar "esse pessoal de circulação", em suas palavras.

No entanto, conforme explica o delegado, esse argumento é uma estrategia da facção criminosa a que José pertence, para "dominar" o submundo do crime (especialmente o tráfico de drogas), galgando poder gradativo buscando controle e poder de uma área inteira. 

Em uma fotografia ele aparece posando, fazendo gesto com as iniciais de uma facção criminosa (de origem carioca) segurando ossos dos cadáveres mortos por ele. 

Os corpos foram localizados em área rural na manhã desta quinta-feira (10).











Comente Logo Abaixo




Nenhum comentário foi encontrado, sejá o primeiro a comentar esta notícia.

65 99628 5314

Rua Ramon Sanches Marques , nº 44 , Distrito São Joaquim
Tangará da Serra-MT CEP 78.300-000

Newsletter
       

Copyright© 2013 - 2018. Todos os direitos reservados.